Obrigado por estar aqui , você faz parte deste número

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Seec desconhece local de trabalho de 550 servidores

Adriano Abreu
Betânia Ramalho, Seec
 Betânia Ramalho, Seec
A Secretaria Estadual de Educação e Cultura (Seec) poderá abrir processo para demitir 550 servidores por abandono de emprego em um prazo de oito dias. Isso porque a Seec desconhece o paradeiro desses funcionários, ou seja, não sabe se está trabalhando e em qual unidade da Educação. A maioria, não  localizada pelo Censo da rede, é composta por professores que deveriam estar em sala de aula, segundo a secretária Betânia Ramalho. O gasto anual com salários e encargos sociais dos ‘fantasmas’ chegaria a quase R$ 3 milhões.
Os servidores foram listados em portaria conjunta da Seec e da Secretaria de Estado da Administração e dos Recursos Humanos (Searh) publicada no Diário Oficial do RN da última quarta-feira, 16/07,  e têm o prazo de oito dias, contados a partir da publicação do edital, para comprovarem o local de desempenho de suas atividades funcionais.  

“Os que não fizerem isso serão demitidos por abandono de emprego, conforme a lei. Precisam trazer declaração do diretor da unidade onde estão lotados e será feita uma investigação”, destacou a secretária. Atualmente, 250 servidores já estão em processo de demissão por abandono, de acordo com a gestora da Educação.

Saiba mais
A Seec é a maior pasta do Estado, considerado o número de servidores: são 27 mil, no total. Destes, são 11 mil professores, somados efetivos e os temporários. A quantidade exata de professores com ‘paradeiro desconhecido’, entre os 550 servidores, não foi divulgada pela Seec.

Betânia afirma que, quando a atual gestão assumiu, em 2011, o controle de presença era feita manualmente, passado dessa forma para a folha de pagamento. “Essa foi uma das principais dificuldades. Não havia controle”, pontuou. Somente em 2012, com a implantação do Sagep (Sistema de Acompanhamento e Gerenciamento de Pessoal), o trabalho passou a ser digital.

Naquele ano, foi identificado problema de registro em 2.400 casos. O último censo, em maio deste ano, cruzou os dados do Sagep com os do Sistema Integrado de Gestão da Educação (Sigeduc), que também faz o controle dos recursos humanos dentro de cada escola, e começou a funcionar totalmente neste ano. “Dessa forma, a gente tem condições de acompanhar, emitir relatórios, disciplinar o percurso do profissional dentro da rede”, disse.

Nesse processo, os técnicos da Seec não encontraram 1.500 servidores na rede estadual. Os trabalhadores tiveram os nomes publicados em portaria com prazo de 30 dias para comparecerem às diretorias regionais. Após o trabalho realizado pelas Direds, 950 servidores comprovaram prestação de serviço, porém os 550  continuaram ‘desaparecidos’.

Confira lista dos servidores convocados a, no prazo de 8 dias, contados a partir da publicação do edital, comprovarem o local de desempenho de suas atividades funcionais.

Tribuna do Norte

Nenhum comentário: